Qualidade de Vida

13.01.2011 - Relação construtiva

Pesquisa aponta aspectos que adoecem o amor

Você sabia que o simples fato de ouvir e respeitar o ponto de vista da pessoa amada ou fazê-la rir é um excelente indicativo da durabilidade da relação de um casal? Pois é, uma pesquisa realizada na Universidade de Michigan tentou desvendar como a atitude das pessoas afeta o relacionamento amoroso e se é possível prever a duração dos enlaces matrimonias a partir dessas informações.

O estudo acompanhou a trajetória de 373 casais por 16 anos e identificou alguns comportamentos destrutivos capazes de aumentar as chances de divórcio. Atitudes como, por exemplo, fazer questão de ter ‘a ultima palavra’ em uma discussão, relembrar desavenças do passado e, na pior das hipóteses, gritar ou insultar o companheiro(a) podem colocar tudo a perder.

Para se ter uma ideia, no início da pesquisa, 29% dos maridos e 21% das esposas contaram ter enfrentado algum tipo de conflito. Passados 16 anos, 46% dos casais já havia se separado, e aqueles que tiveram problemas desde o inicio do relacionamento apresentaram maior inclinação para o divórcio.

Outro costume particularmente maléfico apontado pelo estudo é a adoção de ‘estratégias de retirada’. Isso ocorre quando um dos conjugues abandona a discussão ou prefere manter-se calado acerca do assunto debatido. Ainda segundo os pesquisadores, quando só um dos lados está disposto a ceder e a compreender as razões do parceiro(a), o matrimônio tem poucas chances de dar certo.

Compartilhe
Comentários (2)
Veja também

Abilio Diniz
m.uol.com.br