Qualidade de Vida

15.08.2014 - A importância do perdão

Atitude contribui para uma vida mais leve

Renata Pessoa

Não é fácil perdoar. Muitas vezes, o mal que alguém nos causa deixa mágoas profundas e perdoar significa esquecer e não levar esta mágoa em conta em decisões e ações futuras. Mas superar o episódio é essencial para seguir a vida em paz.

“Costumo dizer que ao longo da vida, a gente vai carregando um saco de pedras que pode ficar cada vez mais pesado se deixarmos nos prender no passado e se remoermos as cicatrizes das mágoas. Quando isso acontece, a pessoa pode prejudicar a própria vida e não conseguir viver o presente de forma plena e isso prejudica o outro e a si mesmo”, afirma o psicólogo Aílton Amélio.

Para o especialista, a melhor forma de exercer o perdão é compreender que a natureza humana é falha. “Quem não perdoa é um irrealista, pois não aceita que o outro pode errar. É um engano esperar tanto do outro porque a perfeição não é da natureza humana”, afirma.

Apesar desta importância, o psicólogo faz uma ressalva: “não se trata de oferecer sempre a outra face. Algumas pessoas não valorizam o perdão e acabam abusando disso. Perdoar o outro não pode ser sinônimo de passividade, mas sim, de aprendizado. Quando o outro reincidir no erro, é saudável criar mecanismos de defesa e se afastar do que nos faz mal. O importante é não deixar que a mágoa se torne desproporcional”, conclui.
 

Compartilhe
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar
Veja também

Abilio Diniz
m.uol.com.br