Qualidade de Vida

25.03.2011 - Alegre e saudável

Estudo comprova que felicidade prolonga a vida

Fazer atividade física regularmente, manter uma alimentação balanceada e controlar o estresse diário. Todos sabem que esses são hábitos essenciais para quem quer viver mais e com saúde. Muita gente, porém desconhece que quando o assunto é longevidade médicos e especialistas recomendam: procure simplesmente ser feliz.

Essa foi a conclusão do psicólogo Ed Diener, da Universidade de Illinois, que revisou 160 estudos sobre a relação entre a forma que as pessoas encaram a vida e os seus efeitos para a saúde. “A felicidade não faz mágica. Mas a evidência de que ela reduz suas chances de contrair doenças ou morrer jovem é clara e convincente”, diz o pesquisador.

Entre os estudos revisados, Diener destaca dois. O primeiro monitorou cerca de 5 mil estudantes universitários por mais de 40 anos e descobriu que os alunos mais pessimistas morriam mais jovens do que seus colegas otimistas. Já a outra pesquisa acompanhou 180 freiras católicas do início da idade adulta até a velhice. Segundo o estudo, as freiras que escreveram autobiografias positivas aos 20 anos viveram mais do que aquelas que relataram negativamente a juventude.

Ainda de acordo com a análise de Diener, a maioria das pesquisas concluiu que ansiedade, depressão, pessimismo e falta de prazer nas atividades do dia-a-dia estão diretamente associados às taxas mais elevadas de doenças e a baixas expectativas de vida. Além disso, inúmeros trabalhos comprovam que o bom humor reduz os hormônios relacionados ao estresse, aumenta a função imunológica e promove a rápida recuperação do coração após um esforço físico. 

Compartilhe
Comentários (1)
Veja também

Abilio Diniz
m.uol.com.br