Qualidade de Vida

21.10.2009 - O que é logosofia?

Doutrina prega a seleção dos pensamentos

Carolina Beu
 
Muitos nunca ouviram falar em Logosofia, palavra de origem grega, que significa “ciência da razão”. Concebida em 1930, pelo escritor e pensador argentino Carlos Bernardo González Pecotche, a logosofia prega a promoção do bem estar próprio e da sociedade através do autoconhecimento.

Segundo Sylvie Antonini, integrante da Fundação Logosófica do Brasil, a logosofia é uma ciência eminentemente experimental. “Aquele que estuda e pratica os ensinamentos logosóficos aprende a conhecer seu mundo interior.” Ela afirma que “a logosofia também orienta o ser humano a adestrar-se na utilização das faculdades de sua inteligência, de modo a ser capaz de criar pensamentos próprios de índole construtiva.”

Mas como isso funciona na prática? Imagine que você é Lívia Hotta, pediatra paulistana, mãe de duas crianças e que, ainda por cima, dobra o turno de trabalho diariamente em dois consultórios. Certa manhã, sua empregada liga para avisar que não irá trabalhar nos próximos 15 dias. Qual a sua reação imediata? No caso da médica, a primeira atitude a ser tomada foi reverter o fluxo de pensamento estressante e mentalizar ‘isso não é o fim do mundo’. Feita a escolha, Lívia encontrou uma maneira criativa de otimizar o tempo, cuidar da casa e ainda fazer com que os filhos se tornassem mais organizados.

Explorando os campos do autoconhecimento, a proposta logosófica é emancipar o individuo, focando, principalmente, na identificação, classificação e seleção dos próprios pensamentos. Lívia iniciou o estudo logosófico há cinco anos motivada, sobretudo, pela preocupação com a educação dos filhos. “Antes do nascimento deles eu já tinha problemas de convivência e atribuía tudo ao acaso ou aos outros. A dificuldade em conviver e educar as crianças, porém, me fez perceber que algo estava errado”, conta a médica. O aproveitamento do tempo foi um dos primeiros conceitos que mudou a vida de Livia. “Passei a me concentrar no que realmente vale à pena. Entendi que me sobra tempo quando defino o que é prioridade”, diz.. 

Nem religião, nem crença
Ninguém é perfeito, mas todos podem caminhar rumo ao aperfeiçoamento. Tendo este conceito em vista, Pecotche - também conhecido popularmente como Raumsol - catalogou 44 deficiências e 22 propensões, que são conjuntos de manifestações que, de acordo com o autor, impedem a evolução do ser humano. No grupo das deficiências, podemos destacar a cobiça (que coloca a inteligência a serviço do lucro e da posse), a falsa humildade (falsa modéstia para obter elogios), a falta de vontade (ou preguiça) e a teimosia. Ainda segundo o autor, os indivíduos estão propensos ao engano, ao deleite dos sentidos, ao desalento e ao desespero, por exemplo. O ‘antídoto’ para lidar com as deficiências e propensões pode ser encontrado em valores como honestidade, sinceridade, decisão e docilidade.

Os ensinamentos logosóficos atraem um grande número de pessoas que buscam satisfazer inquietudes espirituais. Mas, embora a logosofia reconheça a existência de uma força criadora, ela não difunde a ideia de um transcendente punitivo e questiona os dogmas e os preconceitos, fatores que também impediriam a evolução. 

Compartilhe
Comentários (9)
Veja também

Abilio Diniz
m.uol.com.br